NOTÍCIAS


'Imagem de ter atividade lícita', diz delegado após operação que terminou com prisão de doleira por tráfico internacional de drogas


LEIA TAMBÉM: Quem é Nelma Kodama: presa em operação contra tráfico foi doleira alvo da Lava Jato

“Pessoas grandes, pessoas que na sociedade passavam a imagem de ter uma atividade lícita, uma atividade bem-sucedida e, no entanto, a verdadeira atividade deles, ou uma das principais atividades deles, era remeter cocaína para Europa”, afirmou o delegado.
Nelma Kodama durante depoimento no Congresso; — Foto: Reprodução GloboNews

Nelma Kodama durante depoimento no Congresso; — Foto: Reprodução GloboNews

Uma das presas na operação foi a doleira Nelma Kodama, encontrada na manhã desta terça-feira (19), em Portugal . Ela é suspeita de atuar como doleira para o narcotráfico e chegou a ser condenada na Operação Lava Jato.

O advogado Adib Abdouni, que diz ainda não ter sido constituído oficialmente como defensor de Nelma, diz que “a princípio não há elementos para manutenção da prisão”.

Segundo ele, “pelo que está nos autos a prisão preventiva se baseia na necessidade de que os investigados se mantenham em cárcere porque os mesmos viajam frequentemente ao exterior”. O advogado também representa Rowles Magalhães, também preso na operação desta terça.

Outras cinco pessoas foram presas no Brasil, entre elas o ex-secretário estadual de ciência e tecnologia de MT, Nilton Borgato, que se licenciou do cargo para disputar uma vaga de deputado federal.

O advogado de Nilton Borgato, Luiz Derze, disse que ainda não teve acesso ao processo e que o mandado não faz menção ao que está sendo investigado. Ele afirmou que Nilton está a disposição da Justiça e que a defesa está em busca de ter acesso aos autos.

O ex-secretário está na Polícia Federal e deve ser encaminhado para o Centro de Custódia de Cuiabá (CCC) enquanto aguarda o agendamento da audiência de custódia.

Por causa da lei de Lei de Abuso de Autoridade, os nomes dos presos não foram divulgados pela Polícia Federal. No entanto, o delegado Adair Gregório informou que os presos tinham envolvimento com a remessa da cocaína para a Europa.

“Todos que receberam mandados de prisão ou mandados de busca…ou são donos da droga , ou ajudaram no carregamento, ou estavam responsáveis pelo transporte, ou eram doleiros”, contou.

A operação, batizada de Descobrimento, cumpriu nove mandados de prisão na Bahia – onde a operação foi iniciada –, São Paulo, Mato Grosso, Rondônia e Pernambuco e dois mandados de prisão em Portugal.

Na Bahia, conforme o delegado, houve o cumprimento de um mandado de busca e apreensão, por causa de uma pessoas suspeita de envolvimento no pagamento do voo para o Brasil. A ação foi feita em Vitória da Conquista, no sudoeste do estado.

“Ela foi uma das pessoas que, entre os investigados, era a pessoa responsável pelo pagamento do voo que veio para o Brasil . Está vinculado a doleiros”, afirmou.

No Brasil, também foram decretadas medidas de apreensão, sequestro de imóveis e bloqueios de valores em contas bancárias dos investigados. Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Federal de Salvador e pela Justiça portuguesa.

PF cumpre 9 mandados de prisão no Brasil e em Portugal, em operação contra tráfico internacional de drogas — Foto: Divulgação/Polícia Federal

PF cumpre 9 mandados de prisão no Brasil e em Portugal, em operação contra tráfico internacional de drogas — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Nas investigações, a PF contou com a colaboração da Drug Enforcement Administration (DEA), uma agência norte-americana de combate às drogas), da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da Polícia Judiciária Portuguesa e do Ministério Público Federal.

Nelma Kodama era ex-mulher do doleiro Alberto Youssef. Em outubro de 2014 foi condenada, em primeira instância, a 18 anos de prisão por corrupção, evasão de divisas e organização criminosa.

Sua prisão ocorreu em março de 2014 no Aeroporto Internacional de Guarulhos. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), a doleira tentou fugir para Itália com 200 mil euros escondidos na calcinha ao saber que estaria sendo investigada pela Polícia Federal.

Em agosto de 2019, a Justiça Federal autorizou que a doleira Nelma Kodama retirasse a tornozeleira eletrônica e fosse solta. A autorização se deu com base no indulto natalino editado pelo ex-presidente Michel Temer em dezembro de 2017.

LEIA TAMBÉM: Juiz repreende doleira condenada na Lava Jato após vídeo em rede social ensinando a retirar tornozeleira

Um dos episódios marcantes com a doleira aconteceu em 2015, quando cantou a música “Amada Amante” (veja vídeo abaixo) durante um depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. Na ocasião, ela disse que os euros apreendidos com ela no Aeroporto de Guarulhos não estavam na calcinha.

Nelma Kodama canta 'Amada Amante' ao explicar relação com Alberto Youssef

Nelma Kodama canta ‘Amada Amante’ ao explicar relação com Alberto Youssef

Nelma Kodama voltou à mídia em 2018, quando se tornou algo de investigação por receptação de joias roubadas. Na época, a polícia informou que ela apareceu em uma foto nas redes sociais utilizando um conjunto de par de brincos, um anel e pingente de rubis, avaliado em R$ 150 mil.

PF cumpre 9 mandados de prisão no Brasil e em Portugal, em operação contra tráfico internacional de drogas — Foto: Divulgação/Polícia Federal

PF cumpre 9 mandados de prisão no Brasil e em Portugal, em operação contra tráfico internacional de drogas — Foto: Divulgação/Polícia Federal

As investigações começaram em fevereiro de 2021, quando meia tonelada de cocaína foi apreendida no táxi aéreo de uma empresa portuguesa, no Aeroporto Internacional de Salvador.

“Hoje a gente deflagra a operação prendendo uma rede envolvida na remessa de cocaína para Europa onde a gente identificou fornecedores, os proprietários da droga; identificou as pessoas que realizaram o carregamento e as pessoas que realizaram o carregamento da aeronave”, contou o delegado Adair Gregório.

A droga foi encontrada enquanto a aeronave era abastecida. Na ocasião, cinco pessoas foram conduzidas para Polícia Federal. Na época, no entanto, a PF e a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) não informaram se o grupo ficou preso.

Meia tonelada de cocaína é encontrada em avião no Aeroporto Internacional de Salvador — Foto: Divulgação/SSP-BA

Meia tonelada de cocaína é encontrada em avião no Aeroporto Internacional de Salvador — Foto: Divulgação/SSP-BA

Com a apreensão, a polícia conseguiu identificar a estrutura da organização criminosa, que atuava no Brasil e em Portugal.

Segundo a PF, os investigados são fornecedores da cocaína, mecânicos de aviação e auxiliares, que abriam a aeronave para guardar a droga. Além disso, transportadores dos voos e doleiros eram os responsáveis pela movimentação financeira do grupo criminoso.

“Por ser um jato executivo, que viajava do Brasil para Portugal, precisava de pessoas especializadas para desmontar a aeronave e esconder o entorpecente. Essas pessoas foram identificadas, os responsáveis pelo voo – aí já eram as pessoas que fazia o frete da droga -, e parte das pessoas que recebiam a droga lá em Portugal”, concluiu o delegado.

PF cumpre 9 mandados de prisão no Brasil e em Portugal, em operação contra tráfico internacional de drogas — Foto: Divulgação/Polícia Federal

PF cumpre 9 mandados de prisão no Brasil e em Portugal, em operação contra tráfico internacional de drogas — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Veja mais notícias do estado no g1 Bahia.

Assista aos vídeos do g1 e TV Bahia 💻

Ouça ‘Eu Te Explico’ 🎙



Fonte: G1


19/04/2022 – Objetiva FM

SEGUE A @OBJETIVAFM107.5

(15) 99838-4161

producao@objetiva107.com.br
Buri – SP

NO AR:
DOMINGO SERTANEJO