NOTÍCIAS


Pai de brasileiro atropelado em Nova York desabafa após motorista réu ser solto: 'Total indignação'


Ao g1, Guga Mendonça afirma que um crime de trânsito é tão grave como qualquer outro crime, e que uma série de coisas geraram indignação na família, que é de Sorocaba, cidade localizada no interior de São Paulo.

“Esse cara solto pode cometer outros [crimes]. Tudo bem que você não tem um atropelador em série, mas, por outro lado, é uma questão que deixa a gente muito triste, muito revoltado com a ação da polícia americana e da Justiça, que soltou ele”, diz.

Para Guga, diversos pontos da investigação incomodam a família. “Os Estados Unidos vendem que a punição é severa, que as coisas funcionam, e eu não estou vendo isso na prática”, desabafa.

Desde o acidente, Luiz Gustavo Lotte, de 21 anos, está internado em um hospital americano em estado grave. Os médicos disseram à família que, pela condição atual, ele tem grande chance de ficar em estado vegetativo ou de não sobreviver.

“Quem atropela e não presta socorro, em alta velocidade, e foge, é bandido. E lugar de bandido é na cadeia. Queremos cobrar as autoridades, queremos que a pessoa pague por isso. Que pague por estragar o sonho de um jovem que estava vencendo na vida, de forma correta e de forma honesta”, afirmou ao g1 na época do acidente.
Pai de jovem atropelado em Nova York pede punição a motorista que fugiu

Pai de jovem atropelado em Nova York pede punição a motorista que fugiu

O motorista do carro que atropelou Luiz Gustavo fugiu sem prestar socorro. Ele dirigia um veículo com placas de Nova York.

Luiz Gustavo foi para os EUA em março de 2020, pouco antes do início oficial da pandemia de coronavírus, e estava lá desde então, pois tinha decidido tentar a vida nos EUA.

Ele chegou a conseguir um emprego na cidade, em uma empresa de publicidade. O jovem já tinha alguns parentes que moravam em Nova York, como os avós maternos e um tio.

Atropelado na saída da academia

Brasileiro é atropelado em Nova York; há risco de morte cerebral

Brasileiro é atropelado em Nova York; há risco de morte cerebral

A família acredita que, pelo horário e pelo local, Luiz Gustavo estava saindo da academia quando foi atropelado. Ele foi levado por uma ambulância a um hospital.

O maior problema na recuperação do jovem, segundo o pai, é a lesão provocada no crânio, mas ele chegou ao hospital também com costelas, ombro e pescoço quebrados. O pulmão também foi atingido, segundo a madrasta, Patricia Rocha França, de 41 anos. Os médicos se concentraram nas lesões no crânio e fizeram cinco cirurgias.

Veja mais notícias da região no g1 Sorocaba e Jundiaí

VÍDEOS: reveja as reportagens dos telejornais da TV TEM



Fonte: G1


12/04/2022 – Objetiva FM

SEGUE A @OBJETIVAFM107.5

(15) 99838-4161

producao@objetiva107.com.br
Buri – SP

NO AR:
CHARME