NOTÍCIAS


Pai de santo e esposa empresária vão a júri por morte de trans achada carbonizada


A decisão do juiz Emerson Tadeu Pires de Camargo detalhou que os dois devem ser julgados por homicídio com motivo torpe, fútil, embosca e ocultação de cadáver.

Interrogado em juízo, o réu Douglas informou que Natasha teria recebido ameaças pelo celular de um número desconhecido. Em seguida, ele foi até a chácara, onde se deparou com a vítima, que teria o atacado.

Alegou que para se defender segurou a vítima até que ela desmaiasse, sem saber que, na verdade, estava morta. Na sequência, o réu foi até a pousada da esposa e retornou com ela à chácara. Os dois transportaram o corpo no porta-malas, o colocaram no mato, jogaram gasolina e atearam fogo.

Natasha Oliveira negou que ocorresse prostituição em seu pensionato e que cobrava a diária de R$ 60 de cada pensionista.

À polícia, durante a reconstituição, o homem deu detalhes sobre o assassinato da vítima. Os dois ficaram no motel por cerca de 8 horas e consumiram bebida alcoólica, café e cigarro.

Na época, o crime ocorreu de madrugada, em uma estrada de terra sem movimento de carros. Enquanto os dois estavam hospedados, o corpo da vítima foi encontrado na estrada, sem documentos, carbonizado e com marcas de enforcamento.

A reconstituição do assassinato foi feita em dois lugares. O primeiro foi em uma chácara, na zona norte de Sorocaba, onde também funcionava um terreiro. Douglas afirmou que a matou no local durante uma briga.

Ele alegou à polícia que, na ocasião, se deparou com a trans na porta da chácara do casal e Vick teria o ameaçado. Uma desavença por dívidas teria sido a causa da discussão.

Reconstituição foi feita em Sorocaba e Itu — Foto: Carlos Dias/G1

Reconstituição foi feita em Sorocaba e Itu — Foto: Carlos Dias/G1

Douglas contou que conseguiu enrolar um lençol no pescoço de Vick com uma técnica de artes marciais. Horas depois, ele afirmou que foi até uma pousada onde estava Natasha e contou sobre a versão.

Rodeado de policiais e peritos, no dia da reconstituição Douglas abriu o porta-malas e usou uma garrafa e um papel para simular a sequência do assassinato. Em determinado momento, ele revelou que os dois passaram em um posto de combustíveis e que usou gasolina e uma nota de R$ 2 para atear fogo ao corpo.

A vítima foi encontrada carbonizada no dia 28 de maio, em uma estada. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que a vítima também foi estrangulada.

Preso por matar trans estrangulada chora durante reconstituição do crime

Preso por matar trans estrangulada chora durante reconstituição do crime



Fonte: G1


25/03/2022 – Objetiva FM

SEGUE A @OBJETIVAFM107.5

(15) 99838-4161

producao@objetiva107.com.br
Buri – SP

NO AR:
MADRUGADA OBJETIVA F